Domingo, 4 de Junho de 2017

O verdadeiro crime é viver demasiado”

Esta frase do grande pensador e escritor George Steiner deixou-me estonteado, apesar dele com os seus 89 anos se considerar também um “criminoso”. Mas, a ideia não é de um autor, mas sim de toda uma civilização europeia.

Steiner, uma espécie de sobrevivente judeu do holocausto, parece vir dizer que nós, os europeus, romenos ou portugueses, britânicos, franceses, alemães ou gregos, a partir de uma certa idade somos uns “judeus” a merecer algum forno crematório, até por não haver lugares vagos nos cemitérios.

Na entrevista que Steiner deu à redatora do Expresso Revista Luciana Leiderfarb afirma que “somos convidados nesta terra”, pelo que pergunto se devemos sair da “festa” que é a vida antes de tempo?

Claro, Steiner confessa que as “ciências (exatas) não conhecem a hipocrisia” pois “há o certo ou o errado e quem faz batota é obrigado a sair do jogo. Pelo contrário, as chamadas ciências sociais fazem “bluff” a todo o tempo, estão cheias de mentira, de conversa FIADA” e esta de viver demasiado é um delas para uso dos monstros humanos que apelam todos os dias a reformas e escrevem muito no Expresso. Reformas para esses nazis do pensamento é acabar com os reformados, seja de que maneira for.

Steiner fala no século passado como obscuro da maior barbaridade e parece indicar que este pode ser pior se os Schaeubles vencerem.

É difícil entender George Steiner em termos políticos e atuais sem ter lido um livrinho dele intitulado em alemão que foi na língua que li: “Warum denken traurig macht” (Porque razão pensar entristece).

Após a leitura, qualquer um torna-se noutra pessoa a pensar, pensar e pensar o pensamento porque George Steiner escreve como um provocador algo sedutor que impede que o leitor abandone o livro antes de ler todas as suas 77 páginas.

Steiner fala na inquietante “liberdade de pensamento” que a nada conduz e não dá resposta ao que é a morte e eu diria a vida também e o próprio o pensamento, nem se há ou não um Deus. A ciência exata também não respostas finais, mas desde Sócrates que sabemos nada sabemos.

O pensamento livre tornou-se para Steiner tão lúgubre que nos leva a todos a um imenso recuo para as toscas simplicidades dos fundamentalismos, sejam islâmicos ou batistas nalguns estados americanos e até na Europa. Sentimos que há um banho ácido do pensamento e é precisamente aquele que diz, mais ou menos a sério que é crime viver demasiado. Sim estraga as finanças do Estado e perturba o futuro dos netos e bisnetos. Claro, Steiner é genial, mas com a sua idade parece que não conheceu esta maravilhosa máquina que é o computador, a Net, máquina que ajuda a pensar e conhecer o Mundo para quem queira.

Steiner não é contra a liberdade de pensamento, pensa é que os fundamentalismos surgem como reação ao pensamento e são o desejo de policiar o pensamento, enquadrá-lo numa banda estreita que já não se compadece com a liberdade de pensar.

O Pensador não acredita no futuro da civilização europeia que pode soçobrar com os fundamentalismos que não são só dos religiosos. Assim, Steiner não diz, mas Schaeuble e Bruxelas são fundamentalistas e uma forma de nazismo que por não se preocupar com judeus não deixa de ser muito pior.

Na verdade, foi recentemente descoberto que o pensamento resulta de um pequeno erro do ASDN de uma nosso antepassado de há 500 mil ou 5 milhões de anos atrás.

No gene AHGAP11B do cromossoma 15 um erro de transcrição transformou um nucleótido C (citosina) em G (guanina), originando um novo ARN (ácido ribonucleico) que passou a produzir uma nova proteína, exprimida por células especializadas da zona ventricular do cérebro que produziram um estado neuronal intermédio.

As células intermédias dividiram-se em novos neurónios que emigraram para a placa cortical para formar o nosso neo-córtex cheio de circunvalações onde se forma esta coisa estranha que é o pensamento, a não confundir com inteligência, já que os animais são todos portadores de diversas formas de inteligência que permite a sua sobrevivência. E pode ser-se inteligente sem ser grande pensador ou, mesmo, sem pensar em seja no que for.

 

publicado por DD às 23:29
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Novembro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.posts recentes

. O verdadeiro crime é vive...

.arquivos

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Junho 2017

. Outubro 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Maio 2015

. Janeiro 2015

. Junho 2014

. Fevereiro 2014

. Novembro 2013

. Junho 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Agosto 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Novembro 2011

. Maio 2011

. Setembro 2010

. Junho 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Abril 2009

. Junho 2008

. Maio 2008

. Agosto 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Março 2006

. Janeiro 2006

. Julho 2005

. Março 2004

. Fevereiro 2004

. Janeiro 2004

.tags

. todas as tags

.links

Contador de visita
Contador de visita
Hospedagem de Sites
Contador de visitas grátis

.Online

web counter
blogs SAPO

.subscrever feeds