Quinta-feira, 25 de Janeiro de 2018

Os Escritores como Prefácio da Queda do Comunismo-Ferrari da China Popular. 纽时:中共官员香港买“禁书“送同僚

 

 

 
 
Hoje, pelo fim da tarde, realiza-se na Fundação Saramago uma sessão de leitura de textos de autores proibidos na China Comunista que endureceu recentemente a censura intelectual ao ponto de proibir cerca de 55 mil títulos chineses e estrangeiros.
 
O general Ho Chien é o censor máximo da China, a quem a direita portuguesa vendeu os principais ativos estratégicos de Portugal.
 
Ho controla as mais de 600 editoras que pertencem ao Estado Comunista por não haver editoras particulares. Os livros proibidos entram na República Popular da China via Hong Kong e Taiwan, onde são impressos em grande quantidade e só uns poucos são feitos em editores do Continente porque nem todos os editores viram algum mal na obra.
 
Saliente-se que a Internet é controlada, incluindo os blogs, mas aparecem livros proibidos constantemente em blogs para serem apagados e reaparecerem novamente.
 
Apesar de desconhecidos, a China possui escritores da maior craveira mundial que poderiam ter ganho numerosos prémios Nobel, o que não é nada de excecional dado tratar-se de uma nação com 1,3 mil milhões de habitantes, sendo mais de 80% letrada.
 
Entre os livros proibidos na China contam-se quase todos os livros infantis ocidentais a começar por "Alice no País das Maravilhas", cuja proibição se deve apenas ao facto de o general Ho não gostar de histórias em que animais falem. Harry Potter também é proibido porque tem muita fantasia, segundo o general.
 
Mas os mais perseguindos são os grandes mestres da literatura mundial de nacionalidade chinesa como Liao Yiwu que escreveu recentemente um livro tornado proibido sem qualquer razão com o título "A Bala e o Ópio" que relata com espírito crítico situações do passado. O livro está proibido para evitar que o escritor se torne conhecido na China, apesar de já não ser possível impedir que os seus livros que contam histórias passadas em todas as épocas da China sejam os mais lidos.
 
Segundo editores de Taiwan e Honk Kong, os principais leitores dos livros proibidos na China são os funcionários do Estado e, principalmente os membros do partido, incluindo dos serviços secretos.
 
Tal como aconteceu no período da Revolução Cultural foi de dentro do Partido Comunista Chinês que saiu a oposição a Mao Ze Dung e à sua política, a começar por Chu En Lai, o primeiro ministro, e Deng Xiao Ping que assumiu a direção do PCC e transformou a China.
 
Hoje, há uma onda semelhante que levou o presidente XI Jinping a endurecer a ditadura no plano intelectual.
 
É sabido que na China, o melhor presente que se pode dar a um alto funcionário do regime é um livro proibido, principalmente se contar algo sobre a revolta da Praça Tien A Men.
 
"Os Cisnes Selvagens" de Jung Chang é o livro mais lido na China e existe editado em português. Livro que li umas três vezes.
 
Consta no jornais clandestinos que nos últimos tempos abandonaram o PCC mais de 270 milhões de militantes e que o presidente disse que a saída resultou de falecimento normal, o que não é tido por verdadeiro por parte de muito pessoal do partido.
 
Os autores proibidos, que vão ser lidos numa ínfima parte hoje, fazem, sem dúvida, parte do "prefácio" da queda do regime ditatorial monopartidário contraditoriamente comunista e capitalista.
 
O funcionalismo público-partidário odeia cada vez mais o chamado "comunismo Ferrari" isto é, a ditadura do PCC com uma oligarquia imensamente rica que anda de Ferrari e outras viaturas de grande luxo.
 
Os intelectuais são sempre a "vanguarda" de todas as revoluções e mudanças de regime, geralmente para proveito de gananciosos corruptos e pessoas práticas na arte de condenar, matar, prender, proibir e tirar proveito material para si próprio de qualquer tipo de poder.
 
O intelectual acaba sempre por ficar de fora porque esses atributos não fazem parte de quem pensa, mas é a mola da mudança e é quem num dado momento influencia tudo o que acontece, daí o terror que os detentores dos poderes, sejam eles quais forem, têm de quem escreve e comunica.
 
Foto: O escritor Liao Yiwu, o autor de "A Bala e o Ópio" que poderia ter ganho há muito o Prémio Nobel da Literatura, mas não lhe foi atribuido para evitar que seja assassinado porque ainda vive na China e que os seus textos sejam ainda mais proibidos, sendo que muitos deles nem são contrários ao regime, mas histórias muito bem contadas respeitantes a várias épocas da China.
publicado por DD às 16:04
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Fevereiro 2018

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28

.posts recentes

. O “Meias Brancas” e o “Al...

. Os Escritores como Prefác...

. O que é o Estado?

. Dieter Dellinger: Proleta...

. Neto de Moura: O Pior Por...

. Santos Silva não gosta da...

. Violência Doméstica Antig...

. Putin e a Revolução de Ou...

. A Minha Família na Revolu...

. O verdadeiro crime é vive...

. Dieter Dellinger Comenta:...

. Um Nobel Esquisito Este A...

. As Contradições do Mundo ...

. A Morte de Cristo em Verd...

. O Homem em Declínio da Fi...

.arquivos

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Junho 2017

. Outubro 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Maio 2015

. Janeiro 2015

. Junho 2014

. Fevereiro 2014

. Novembro 2013

. Junho 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Agosto 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Novembro 2011

. Maio 2011

. Setembro 2010

. Junho 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Abril 2009

. Junho 2008

. Maio 2008

. Agosto 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Março 2006

. Janeiro 2006

. Julho 2005

. Março 2004

. Fevereiro 2004

. Janeiro 2004

.tags

. todas as tags

.links

Contador de visita
Contador de visita
Hospedagem de Sites
Contador de visitas grátis

.Online

web counter
blogs SAPO

.subscrever feeds