Domingo, 5 de Setembro de 2010

Liceu Camões - Também 100 anos de Pedofilia

 

 

 

 

            Há quase sessenta anos atrás, frequentei o Liceu Camões no primeiro e segundo ano dos liceus.

            No primeiro ano tinha um professor de moral que também era o médico do liceu, o dr. Coelho qualquer coisa que não me lembro já.

            Tinha entrado no liceu no ano em que o severo e bestial de besta Dr. Sérvulo Correia entrou como reitor. O antigo reitor ainda chegou a ser meu professor de português, era um simpático velhote que no fim de primeiro período completava setenta anos de idade. Nesse tempo, os funcionários reformavam-se aos setenta anos e morriam passado um ano e qualquer coisa que foi o que aconteceu ao excelente professor, a cujo funeral fui. Que felicidade para o Estado salazarista, só pagava um a dois anos de reforma aos seus funcionários.

            O Dr. Coelho era pedófilo e tinha uma técnica especial que iniciava logo no começo do primeiro ano do liceu com os putos mais inocentes e impreparados como era o meu caso.

            Apesar de não ser padre, era professor de moral, e tinha o hábito de levar os alunos a fazerem a primeira comunhão, mas dizia que antes disso tinham todos de confessar-se na Igreja de Fátima. Todas as semanas o dr. Coelho escolhia um ou dois alunos para se encontrarem com ele pelas quatro da tarde de Sábado na Igreja de Fátima onde deveria explicar previamente o que é o pecado e como confessar aquilo que teriam feito de mal.

            Um dia coube-me a mim a vez e lá fui à Igreja de Fátima que às quatro da tarde estava praticamente vazia e escura.

            Sentámo-nos num banco atrás na zona mais escura.

            O Dr. Coelho começou por perguntar tudo sobre a minha família e se tinha irmãos ou irmãs, etc.

            A dada altura começou a dizer, sabes que há pecados contra a castidade. Eu lá respondi que sim sem perceber muito bem de que se tratava. Em casa, nunca se tinha falado de sexualidade.

            Tu tens um irmão dois anos mais velho, acrescentou, e diz-me lá, masturbas-te com ele, já lhe tocaste no pénis? Eu era muito inocente e perguntei-lhe o que é uma pessoa masturbar-se. O Dr. Coelho admirado perguntou, então não sabes o que é isso, é mexer na pila até sentir sensações especiais e, entretanto, punha a mão na minha perna.

            Eu, puto de dez anos, disse que não fazia e muito menos com o irmão.

            Mas já o viste todo nu, retorquiu o Dr. Coelho. Sim já o vi, mas não tem nada especial. E a tua irmã? Já a viste nua? Sim, mas tem cinco anos.

            Então, tu não mexes na tua pila? Perguntou, enquanto a mão dele aproximava-se da minha. Eu disse que não. Mas nunca sentiste prazer? Não, respondi, só mexo quando é para me lavar. Não era bem verdade, mas não me apetecia falar de sexo com aquele palerma.

            Está bem, disse o Dr. Coelho, pois mexer na pila muitas vezes é pecado e agarrou-se por fora das calças a tentar explicar como é que se fazia isso. Em plena Igreja de Fátima na Avenida Marquês de Tomar, frente à Barbosa du Bocage.

            A dada altura, o Dr. Coelho perguntou onde é que morava.

            Respondi-lhe que morava logo ali em frente na Barbosa du Bocage.

            Eis que vejo o homem apanhar um susto tremendo e tirou logo a mão da minha perna e disse; está bem, vai então confessar-te ali ao padre.

            La fui e não liguei a nada daquilo. O padre também começou por perguntar quase o mesmo, começando por tentar saber se cometia pecados contra a castidade. Lá disse que não e mal sabia o que era isso. Eu era um puto muito adiantado em termos de aviões de caça, bombardeiros, couraçados, porta-aviões e batalhas da II. Guerra Mundial. Mas nas questões sexuais estava muito atrasado e era muito inocente, além de que alimentava uma profunda desconfiança relativamente aos adultos, incluindo ao meu pai e à minha mãe, tidos como pessoas chatas e raramente interessantes. Naquela época havia ainda crianças por toda a parte, mesmo no prédio em que vivia, pelo que estava muito mais em contacto com gentinha da minha idade do que adultos que me intimidavam sempre. E quanto aos professores, detestava-os a todos. Não sei porquê, mas não me diziam nada. No fundo, para além dos livros de guerra, só escritores como Emilio Salgari e Karl May me diziam alguma coisa.

            Enfim, nunca mais pensei no assunto.

            Mais tarde, parece que no segundo ou terceiro ano dos liceus disseram-me que o Dr. Coelho foi expulso do liceu, pois metia-se sexualmente com os putos e constava que um miúdo filho de alguém importante no regime político de então contou uma história dessas ao pai, o qual foi ao liceu e disse ao reitor Sérvulo Coelho: chame o dr Coelho e diga-lhe para sair do liceu e nunca mais voltar a entrar aqui.

            A palavra pedofilia ainda não era do meu conhecimento.

            Mas havia mais pedófilos à porta do liceu. Um tipo chamado D’Argent de uma família conhecida por possuir uma importante metalúrgica em Alcântara tinha o hábito de meter-se com os putos à porta do liceu. Alguns colegas contaram-me que ele queria ter relações com a miudagem, mas nunca falei com ele. Recordo que aparecia sempre de bicicleta e não era o único como me disseram. Comigo não se metiam porque entrava e saía com um irmão mais velho dois anos e amigos dele e meus. Andávamos sempre em grupo e ao fim da tarde saltávamos o muro do Instituto Superior Técnico que tinha num pátio interior três aviões da II. Guerra Mundial, um Mosquito, um Lancaster e um Handley Page. Este último estava sem motores e não tinha lonas a cobri-lo, pelo que entrávamos lá para dentro para travarmos todas as guerras deste e de outros mundos. Fomos expulsos algumas vezes por um contínuo que acabou por se habituar à nossa presença e deixar-nos brincar no avião mais velho, proibindo de entrar nos outros.

publicado por DD às 00:21
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Novembro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.posts recentes

. Putin e a Revolução de Ou...

. A Minha Família na Revolu...

. O verdadeiro crime é vive...

. Dieter Dellinger Comenta:...

. Um Nobel Esquisito Este A...

. As Contradições do Mundo ...

. A Morte de Cristo em Verd...

. O Homem em Declínio da Fi...

. A NOVA ERA DO HOMEM INÚTI...

. O Meu Pai na Alemanha da ...

. O Fim da Guerra para o me...

. O Suicídio do Sósia

. Dieter Dellinger: Dívidas...

. O Cristo Apunhalado

. Dieter Dellinger: O Padre...

.arquivos

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Junho 2017

. Outubro 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Maio 2015

. Janeiro 2015

. Junho 2014

. Fevereiro 2014

. Novembro 2013

. Junho 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Agosto 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Novembro 2011

. Maio 2011

. Setembro 2010

. Junho 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Abril 2009

. Junho 2008

. Maio 2008

. Agosto 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Março 2006

. Janeiro 2006

. Julho 2005

. Março 2004

. Fevereiro 2004

. Janeiro 2004

.tags

. todas as tags

.links

Contador de visita
Contador de visita
Hospedagem de Sites
Contador de visitas grátis

.Online

web counter
blogs SAPO

.subscrever feeds