Domingo, 19 de Agosto de 2012

Conto da Palma da Mão - A Sorte de Adolf

 

 

Na trincheira em ziguezague alemã entre as destruídas aldeias de Grenilly e Ormes, quatro soldados de um regimento bávaro jogavam às cartas. Os canhões pareciam já cansados frente a Verdun, só esporadicamente caía uma granada. Os últimos cadáveres da manhã foram retirados e não chovia. O Hans tinha como parceiro o Adolf, enquanto o Christoff jogava com o Albert que dava o baralho.
De repente, o primeiro cabo Adolf levanta-se e diz: - tenho de ir defecar, a comida aqui deve estar quase podre. – Qual podre, responde-lhe o Albert, estás com medo e borras-te todo. – Não, diz-lhe o Adolf, posso ter o medo que todos têm em certos momentos, mas sou um entusiasta, estou a combater para a vitória do nosso Reich. – Está bem, que seja isso e não a nossa morte, acrescentou o segundo cabo Hans.
Adolf contornou mais uma esquina da trincheira e meteu-se numa reentrância tapada, onde despiu as calças e começou a largar para um buraco já bastante cheio.
De repente, ouve o silvo bem conhecido da granada de 75 mm seguido do violento estrépido dos explosivos e uns gritos de segundos e depois o silêncio. Adolf acabou a tarefa e limpou-se a um jornal da propaganda militar do Reich e saiu para ver o que se tinha passado. Os seus companheiros jaziam mortos, feitos em pedaços. Hans tinha meio corpo, o resto a partir das ancas tinha desaparecido. Albert ficou sem um braço e o ombro, deixando um enorme buraco vazio. Adolf olhou e pensou, “somos assim tão vazios por dentro”. Christoff já não tinha cabeça, mas ficou o crucifixo de latão agarrado ao peito cheio de sangue. Frio e sem emoção, Adolf disse para si mesmo, tive sorte, fui defecar mesmo no tempo certo. Não há dúvida que o futuro está à minha espera e alisou o seu pequeno bigode por debaixo do nariz

 

 

publicado por DD às 00:37
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Junho 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.posts recentes

. O verdadeiro crime é vive...

. Dieter Dellinger Comenta:...

. Um Nobel Esquisito Este A...

. As Contradições do Mundo ...

. A Morte de Cristo em Verd...

. O Homem em Declínio da Fi...

. A NOVA ERA DO HOMEM INÚTI...

. O Meu Pai na Alemanha da ...

. O Fim da Guerra para o me...

. O Suicídio do Sósia

. Dieter Dellinger: Dívidas...

. O Cristo Apunhalado

. Dieter Dellinger: O Padre...

. Camus nasceu há 100 anos

. Merkel imita António Cost...

.arquivos

. Junho 2017

. Outubro 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Maio 2015

. Janeiro 2015

. Junho 2014

. Fevereiro 2014

. Novembro 2013

. Junho 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Agosto 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Novembro 2011

. Maio 2011

. Setembro 2010

. Junho 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Abril 2009

. Junho 2008

. Maio 2008

. Agosto 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Março 2006

. Janeiro 2006

. Julho 2005

. Março 2004

. Fevereiro 2004

. Janeiro 2004

.tags

. todas as tags

.links

Contador de visita
Contador de visita
Hospedagem de Sites
Contador de visitas grátis

.Online

web counter
blogs SAPO

.subscrever feeds